quarta-feira, 20 de julho de 2016

Lisboa

Recordo a minha Lisboa
Sou filha desta cidade
Eu não nasci nela à toa
por ela tenho vaidade
Lisboa de colinas e vielas
De pregões pelas vielas
de varinas e de artistas
esta Lisboa que eu amo
ao lembrar a vida antiga
relembro suas conquistas
Lisboa é recordação
no fado ou numa canção
Pátria Lusa, tão antiga
eu rezo-lhe uma oração
que sai do meu coração
p'ró refrão duma cantiga.
Clara Mestre

sábado, 28 de junho de 2014

Mendigos do poço, espelho do Mundo

Este poço é a vergonha
de toda a humanidade
por aqui se pode ver
no mundo, a desigualdade

Aqueles que têm tudo
não sentem, nem vão lembrar
que há poços iguais a este
em todo e qualquer lugar

É só um pequeno nada
esta amostra radical
do sofrimento dos homens
por um bem essencial...

Clara Mestre

Perdi um sapato

Perdi um sapato
p'los caminhos da vida
e a pé coxinho
custou-me a subida
O caminho é árduo
com muita pedrinha
e só com um sapato
senti-me sozinha
Tentei encontrar
o outro sapato
andava perdido
no meio do mato
Depois de o calçar
senti liberdade
já podia andar
com facilidade
e ao caminhar
senti-me feliz
cá vou tropeçando
nalgumas pedrinhas
do nosso país...

Clara Mestre

terça-feira, 3 de setembro de 2013

Uvas

Oh uvas da nossa terra
Cachos de vidas sofridas
Sabem a mel e a fel
As uvas das nossas vidas.

Um cacho de uvas dourado
Nem sabe o gosto que tem
Quando vem adocicado
Sabe a beijinhos de mãe.

Minha adega de ternura
Meu vinho novo de amor
Por tanto cacho dourado
Eu te dou graças Senhor.



Clara Mestre

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Verão Triste

O verão era o telhado do pobre
Era a roupa do mendigo
Alegrias e desfolhadas
E a ceifa do nosso trigo.
Mas... tudo isso vai mudando
Hoje há fogos pavorosos
Que nos deixam muito tristes
A pensar em seres maldosos
Por que fazem tais loucuras,
Que não pensam no irmão?
Gente que fica sem nada
Sem casas, sem ganha pão.
Não há justiça p'ra isto?
Quem acode à aflição?...
Senhores ministros, estadistas,
Esperamos de vós ação
Não gastem dinheiro à toa
Comprem meios de salvação
E tenham pena dos pobres
Que ficam sem lar, sem pão.
Nós que não fomos queimados
Temos mais é que pensar
Nessas gentes, nessas terras
E nos meios p'rós ajudar.

Clara Mestre